Capítulo 2 | Awakened


CAPITULO DOIS

NEFERET

“Fale comigo. Diga tudo alto e claro. Eu quero saborear cada palavra” Neferet foi até Kalona, ajoelhando-se perante ele e acariciando sua asa enquanto ele sentava no banco olhando para o céu com seu corpo banhado pelo dourado da lua.

Ela tentou se conter para não tremer de antecipação a seu toque, do retorno da sua fria paixão, seu calor congelado.

“O que você quer que eu diga” Ele não encontrou com os olhos dela. Ao invés, ele abriu seu rosto para o céu, como se ele pudesse beber do paraíso acima dele. Sua pergunta a deixou sóbria. Sua paixão se conteve e sua mão parou de acariciar a asa.

“Eu gostaria que você me desse os detalhes da nossa vitória. Para que eu possa saborear a historia com você” Ela falou lentamente, achando que talvez seu cérebro ainda estivesse com problemas devido ao deslocamento de sua alma.

“Nossa vitória?” Ele disse.

Os olhos verdes de Neferet se estreitaram. “Certamente. Você é meu consorte. A sua vitória é a minha. Assim como a minha é sua.”

“A sua gentileza é quase divina. Você virou uma deusa durante a minha ausência?” Neferet o estudou de perto. Ele ainda não olhava para ela. Sua voz estava quase sem emoção. Estaria ele sendo atrevido? Ela ignorou sua pergunta apesar de continuar o estudando atentamente.

“O que aconteceu no Outro mundo? Como a Zoey morreu?” Ela sabia o que ele iria dizer no instante em que seus olhos âmbares encontraram com os dela. Mas ela, infantilmente, colocou suas mãos em suas orelhas e começou a balançar a sua cabeça para um lado e pro outro enquanto ele falou as palavras que pareciam ser uma espada atravessada em sua alma.

“Zoey Redbird não está morta” Neferet forçou suas mãos de suas orelhas, ela parou a alguns metros de distancia de Kalona e virou olhando para o mar. Ela respirou vagarosamente, cuidadosamente, tentando controlar suas emoções ferventes. Quando ela finalmente sabia que podia falar sem dar berro aos céus, ela disse:

“Por quê? Porque você não completou sua jornada?”

“Foi a sua jornada, Neferet. Nunca minha. Você me forçou a voltar a um elmo no qual eu estava banido. O que aconteceu foi previsível. Os amigos de Zoey se juntaram em sua volta e com a ajuda deles ela curou sua alma despedaçada e se encontrou novamente”.

“Porque você não impediu isso de acontecer?” Sua voz era frígida. Ela nem olhou para ele.

“Nyx” Neferet ouviu o nome sair de seus lábios como ele falasse uma oração, gentil, baixo, com uma reverencia. Ciúmes a tomaram. “O que tem a Deusa?” Ela quase cuspiu a pergunta.

“Ela interveio”

“Ela o que?” Neferet deu um giro. Descrença misturada com medo fez suas palavras ficarem sem fôlego.

“Você espera que eu acredite que Nyx realmente interferiu com a escolha humana?”

“Não” Disse Kalona, soando novamente receoso. “Ela não interferiu, ela interveio. E apenas depois de Zoey ter se curado. Nyx a abençoou por isso. Essa benção foi a salvação dela e de seu guerreiro” “Zoey vive.” A voz de Neferet era monótona, fria, sem vida. “Ela vive.” “Então você me deve a subserviência de sua alma imortal.” Ela começa a se afastar dele, se

dirigindo a saída do telhado. “A onde está indo? O que irá acontecer a seguir?” Com nojo do que parecia ser fraqueza na voz

dele, Neferet se virou. Ela se ergueu alta e orgulhosa, e levantou seus braços para que os fios pegajosos que pulsavam em sua volta pudessem tocar sua pele livremente. “O que acontecerá a seguir? É muito simples. Eu vou assegurar que Zoey seja atraída de volta para

Oklahoma. Lá, sob meus termos, eu irei completar a tarefa na qual você falhou.” O imortal perguntou para as costas que se afastavam. “E quanto a mim?” Neferet pausou e olhou acima de seu ombro. “Você também retornará a Tulsa, apenas

separadamente. Eu preciso de você, mas você não pode estar comigo publicamente. Você não lembra, meu amor, que agora é um assassino? A morte de Heath Luck foi ato seu”

“Nosso ato” Ele disse. Ela sorriu. “Não de acordo com o Alto Conselho” Ela encontrou com seus olhos. “Isso é o que vai acontecer. Eu preciso que recupere rapidamente sua força. Amanhã ao crepúsculo eu tenho que informar o Conselho que sua alma retornou ao seu corpo. E que você confessou para mim que matou o garoto humano porque que o ódio dele por mim era uma ameaça. Eu direi a eles que devido ao fato de você achar que estava me protegendo eu fui misericordiosa na sua punição. Eu apenas lhe chicoteei cem vezes e então te bani do meu lado por um século ”

Kalona teve dificuldade para sentar. Neferet estava feliz de ver raiva em seus olhos âmbares.

“Você espera ficar sem o meu toque por um século?”

“É claro que não. Eu irei graciosamente deixar você voltar ao meu lado depois de suas feridas curarem e até lá eu ainda terei o seu toque. Ele simplesmente será longe dos olhos públicos.”

A respiração dele aumentou. Ela pensou o quanto arrogante ele parecia mesmo fraco e derrotado.

“Por quanto tempo espera que eu fique nas sombras? Fingindo curar de feridas inexistentes?”

“Eu espero que você se abstenha do meu lado até que suas feridas curem de verdade”

Com um movimento rápido e preciso, Neferet levou seu pulso a sua boca e mordeu fortemente, instantaneamente deixando um circulo de sangue. Então ela começou a fazer movimentos circulares com o seu braço erguido, sujando o ar enquanto fios grudentos caminhavam para seu pulso se prendendo ao sangue como sanguessugas. Ela bateu seus dentes se forçando a não mexer, mesmo quando as pontadas das trevas a atingiu novamente e novamente. Quando elas pareceram suficientemente ensanguentadas, Neferet falou gentilmente e amorosamente com elas.

“Você pegou o seu pagamento. Agora você deve fazer a minha parte” Ela olhou dos fios pulsantes de trevas para o seu amante imortal.

“Chicotem-lhe profundamente cem vezes.” Neferet jogou trevas ao Kalona. O imortal enfraquecido teve tempo apenas de abrir suas asas e começar a se dirigir ao fim de telhado. Os fios o pegaram no meio da decolagem e se enrolaram em suas asas em sua base sensível onde encontra com sua coluna. Ao invés de pular do telhado ele estava preso contra as antigas pedras. As trevas começaram a vagarosamente chicotear suas costas. Neferet assistiu apenas até que a sua cabeça bela e orgulhosa balançasse em derrota e seu corpo tremia convulsivamente com cada chicoteada.

“Não o marque permanentemente. Eu planejo fruir da beleza de sua pele novamente” Ela disse, antes de se virar a Kalona e sair do telhado.

“Parece que eu preciso fazer tudo por mim mesma. E tenho tanto a fazer. Tanto a fazer” Ela sussurrou para as trevas que passaram pelo seu tornozelo. Nas sombras dentro das sombras Neferet imaginou ter visto o contorno de um touro massivo a assistindo com um senso de aprovação e prazer.

Neferet sorriu.

 

Comments
4 Responses to “Capítulo 2 | Awakened”
  1. Priscila disse:

    Vou ‘morrer’ de curiosidades!!!!

  2. belinhaa disse:

    Quando vai lançar logo o livro? to morrendo de curiosidade.

Trackbacks
Check out what others are saying...


Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

  • Parceiros do Blog

%d blogueiros gostam disto: